segunda-feira, 19 de outubro de 2015

Perdão - Dinâmicas

Perdoando o irmão


ACRÓSTICO

ORIENTAÇÃO DIDÁTICA: Leve folhas de papel e lápis para a sala de aula. Separe a turma em duplas. Cada dupla deve elaborar um acróstico baseado na palavra PERDÃO, sintetizando em uma frase curta as principais lições aprendidas na aula. Em um acróstico, a primeira letra de cada linha compõe a palavra-chave.
Ex:
Perdoar para ser perdoado
Ensinar o perdão
Reconciliar-se com o ofendido
Desejar o perdão
Amar a quem nos tem ofendido
Orar por aqueles que nos maltratam


PERDOANDO QUEM TE MAGOOU 
Texto Bíblico: Mateus  6. 14 e 15

Objetivo: Reconhecer a importância e a necessidade de perdoarmos a quem nos ofende.

Material
: Pedrinhas médias, ou bolas de pingue-pongue da mesma quantidade que o número de participantes.

Tempo: 10 minutos
Procedimento:

Entregue uma pedrinha a cada aluno. Explique que a pedrinha foi atirada neles por alguém e decidiram guardar a pedra para devolvê-la quando tiverem oportunidade. Deverá ficar com ela nas mãos, não soltar para nada, enquanto não devolver.
A seguir peça aos alunos que realizem atividades diversas:
 - bater palmas;
- fazer um círculo;
- brincar de batata-quente;
 - fazer de conta que estão enviando uma mensagem pelo celular ou fazendo as tarefas da escola, etc.
A seguir questione se eles sentiram-se incomodados ao realizar as atividades com a pedrinha na mão. Não teria sido melhor realizar as atividades com as mãos livres? E se a pessoa que atirou nunca mais aparecer?
Agora peçam a eles imaginarem que a pedra é uma ofensa ou mágoa que não foi perdoada por eles.
Questione:
- Uma mágoa, uma ofensa atrapalha a vida de quem a carrega?
- O que acontece quando não perdoamos?
-  Quando não liberamos perdão a uma pessoa (quando não largamos a pedra) quem mais sofre? Quem fica mais incomodado?
- Como e quando perdoar?
- A quem perdoar? 
Repita as atividades acima só que agora sem a pedra nas mãos para que percebam a diferença. Explicar que quando liberamos o perdão a alguém nos sentimos livres e mais leves.

Dinâmica: Abrindo o Coração
Objetivo: 
Refletir sobre a importância e a eficácia do perdão.
Material: 
01 chave de metal ou confeccionada de cartolina com tamanho ampliado.
Procedimento:
- Apresentem a chave e perguntem aos alunos: Para que serve uma chave?
- Aguardem as respostas. Normalmente, apenas é mencionado o ato de abrir, porém não se esqueçam que também a chave é utilizada para fechar.
- Falem que o perdão pode ser comparado a uma chave.
- Perguntem: O que a perdão pode abrir ou fechar?
Exemplos:
Abrir: reatar amizade, alívio de um peso, sentimento de liberdade, perdão de Deus, alegria etc.
Fechar: espaço para brigas, amarguras, ressentimentos, doenças, mente tranqüila etc.
- Para finalizar, leiam Mc 11.25 e 26.



Dinâmica: Enchendo meu copo
Objetivo:
Refletir sobre a importância e a eficácia do perdão, tanto na vertical como na horizontal.
Material didático:
Um copo com água
Uma bacia tamanho médio
Um vasilhame cheio de água (que pegue em média dois litros de água)
Um pouco de suco em pó
Um pouco de café em pó
Atividade didática:
Apresente o copo com água limpa e diga que ele representa o ser humano criado por Deus: Limpo sem nenhuma mancha ou sujeira. Mas diga que a medida que vamos crescendo e nos envolvendo com este mundo vamos perdendo nossa pureza espiritual pois vamos deixando o espaço do copo com água ser ocupado também com sujeiras (coloque um pouco de suco em pó e depois de café) pois vamos abrindo espaço para o pecado, brigas, amarguras, intrigas, falta de perdão etc. Agora pergunte: E agora o que fazer quando perdemos nossa pureza? Diga: Existe solução. Vá derramando a água do vasilhame grande dentro do copo até a água do vasilhame acabar. A medida que você for derramando a água no copo, sua água voltará a ficar limpa. No momento em que for enchendo o copo diga: Precisamos permitir que Deus encha a cada dia a nossa vida, Cada vez que o Senhor vai nos enchendo a sujeira do pecado, amarguras, ressentimentos, intrigas, angústias, mágoas, falta de perdão, etc.  O copo enchendo represente o cristão recebendo o perdão de Deus e ao mesmo tempo recebendo a capacitação divina para perdoar aquele que nos ofendeu e nos magoou. Explique que assim como as pessoas nos ofendem, nós também algumas vezes ofendemos as pessoas, por isso precisamos nos perdoar mutuamente.
Ofereça o seu perdão as pessoas da mesma forma como Deus ofereceu o seu perdão a você. Col. 3.13 diz: suportando-vos e perdoando-vos uns aos outros, se alguém tiver queixa contra outro; assim como o Senhor vos perdoou, assim fazei vós também.
Encerre a dinâmica ministrando uma oração aos seus alunos sobre perdão.


Dinâmica: O Lápis, o Apontador e a Borracha
Objetivo:
 Refletir sobre a conduta do cristão.
Material:
01 cópia do texto “A História do Lápis” para cada aluno
01 lápis grafite, 01 apontador e 01 borracha, ¼ de folha de papel ofício para a avó
Procedimento:
1 - Distribuam uma cópia do texto  “A História do Lápis” para cada aluno.
2 - Façam a leitura do texto de forma dialogada, para isto escolham 03 pessoas para fazerem o papel da avó, do menino e o narrador.
3 - Forneçam uma folha de papel e 01 lápis grafite para a “avó” que deve estar sentada, escrevendo a carta. O “menino” deve ficar perto da “avó”.
4 – Os “atores” devem realizar as ações do texto, por exemplo:
 A avó passa o lápis para o neto.
Mostrar o apontador, a borracha, o grafite e as marcas do papel.
5 – Agora, depois destes passos organizados, façam a leitura do texto:


A História do Lápis
“O menino olhava a avó escrevendo uma carta. A certa altura, perguntou
- E por acaso, é uma história sobre mim?
A avó parou a carta, sorriu, e comentou com o neto:
- Estou escrevendo sobre você, é verdade. Entretanto, mais importante do que as palavras, é o lápis que estou usando. Gostaria que você fosse como ele, quando crescesse.
O menino olhou para o lápis, intrigado, e não viu nada de especial.
- Mas ele é igual a todos os lápis que vi em minha vida!
- Tudo depende do modo como você olha as coisas. Há cinco qualidades nele que, se você conseguir mantê-las, será sempre uma pessoa em paz com o mundo.
Primeira qualidade: você pode fazer grandes coisas, mas não deve esquecer nunca que existe uma mão que guia seus passos. Esta mão nós chamamos de Deus, e Ele deve sempre conduzi-lo em direção à Sua vontade.
Segunda qualidade: de vez em quando eu preciso parar o que estou escrevendo, e usar o apontador. Isso faz com que o lápis sofra um pouco, mas no final, ele está mais afiado. Portanto, saiba suportar algumas dores, porque elas o farão ser uma pessoa melhor.
Terceira qualidade: o lápis sempre permite que usemos uma borracha para apagar aquilo que estava errado. Entenda que corrigir uma coisa que fizemos não é necessariamente algo mau, mas algo importante para nos manter no caminho da justiça.
Quarta qualidade: o que realmente importa no lápis não é a madeira ou sua forma exterior, mas o grafite que está dentro. Portanto, sempre cuide daquilo que acontece dentro de você.
Finalmente, a quinta qualidade do lápis: ele sempre deixa uma marca. Da mesma maneira, saiba que tudo que você fizer na vida irá deixar traços, e procure ser consciente de cada ação.
                                                                                                                  Autor desconhecido.


6 - Reflitam com os alunos sobre os 05 ensinamentos do lápis, relacionando-os com o tema do perdão.
Uma mão que guia – Deus
Usar o apontador – as dificuldades
Usar a borracha – apagar os erros
O grafite – o que está dentro da gente
As marcas no papel – as conseqüências dos nossos atos
Quando cometemos falhas, podemos usar a “borracha” para consertar os erros, pedindo desculpas, tendo cuidado para não errar novamente. Mesmo apagando com a borracha, pedindo perdão ou perdoando, lembrem-se de que as marcas ficam, pois as situações do passado não podem ser apagadas, sofremos e fazemos outras pessoas sofrerem (o apontador), mas no presente podemos ter atitudes positivas, valorizando o que temos internamente (o grafite), aquilo que aprendemos da Palavra de Deus, dos nosso pais, quanto a nossa conduta e relacionamentos.



 A FALTA DE PERDÃO AZEDA A VIDA
Material: Limonada sem açúcar: (copos); colherinhas e açúcar.
Desenvolvimento: Oferecer um copo de limonada sem açúcar para os participantes, e levá-los a experimentar o suco. Comentar como está sendo desagradável tomar aquele suco amargo. Oferecer a seguir o açúcar que será acrescentado a critério de cada um dentro de sua necessidade.
Moral: Quando nós deixamos de perdoar alguém nos tornamos pessoas amargas como este 1° suco, mas quando liberamos o perdão é como o açúcar na limonada, fica muito bom, a vida volta a ter um sabor diferente.